Pesquisar por:

Dica: Usa o DOS no Windows 10? Então saiba como pode aceder ao histórico de comandos

Desde o principio da Microsoft que o DOS é uma presença constante e uma ferramenta que tem evoluído de forma lenta, mas firme. Muitos ainda o usa de fora diária e permanente, com os comandos que todos lhe conhecem.

O DOS tem alguns segredos e algumas novidades que não são conhecidas por todos e que na verdade são úteis para todos. Vamos conhecer hoje como pode aceder ao histórico de comandos.

Precisa de assistência informática ou aconselhamento? Clique aqui

Para muitos utilizadores, o DOS é ainda uma ferramenta útil, importante e que é usada permanente, quer para gerir os ficheiros da sua máquina, quer para muitas outras tarefas de gestão do próprio sistema operativo.

É por isso importante evitar ter de repetir constantemente os comandos aplicados, evitando de ter de os escrever de forma consecutiva e repetitiva. Com uma simples tecla é possível aceder ao histórico dos comandos no Windows 10.

Como aceder ao histórico dos comandos usados?

Por incrível que pareça, o DOS tem uma forma simples e imediata de aceder a uma área de histórico, que pode ser controlada pelo teclado. A tecla que falámos é um simples F7, que pode ser usado em qualquer janela.

Depois de carregar no F7, surgirá uma janela onde os comando usados antes estão presentes, podendo ser navegada com as setas do teclado e um comando escolhido pelo Enter.

Outra forma de aceder ao histórico do DOS no Windows 10

Claro que, existe uma segunda forma de dar acesso a este histórico, se bem que com menos integração e colando apenas os comandos na janela.

Tudo se resume ao comando: doskey /history. Podem usar em qualquer janela e em qualquer momento.

Todo o conteúdo do histórico é colocado na linha de comando, sem poder ser usado de qualquer forma. Podem copiar qualquer uma destas linhas e usar em qualquer lugar.

Esta é a forma simples e rápida de aceder e usar o histórico do DOS, dando acesso direto aos comandos antes usado, que de imediato podem ser reciclados.

Fonte: pplware.sapo.pt

Um site com HTTPS pode ser considerado legítimo? Claro que não!

O tema da “CiberSegurança” é um dos mais debatidos na atualidade. As ameaças digitais são mais que muitas e nesse sentido é preciso ter algum Know How para que não se caia em alguns esquemas que são cada vez mais perfeitos.

Quando se fala de Phishing, ao nível dos websites, é comum ouvir-se que se o site tiver o cadeado (HTTPS) no URL é seguro! Esta é uma verdade, mas tal não significa que o site seja legítimo.

HTTPS – Sabe validar se um site é seguro ou não?

Nos dias que correm, é importante que todos os dados sensíveis transacionados entre um cliente e um servidor sejam cifrados de modo a que estes não possam ser entendidos por terceiros. Na prática, quando acedemos a um serviço online que nos solicita dados pessoais ou credenciais de acesso (ex. sites de bancos) é importante que toda a informação passada seja cifrada de modo a tornar-se ilegível.

No caso dos servidores Web (entre outros serviços de uma rede), uma das formas de proceder à cifra dos dados é recorrendo ao protocolo SSLUsar SSL (HTTPs) num site torna-o seguro mas não legítimo!

O que é o Phishing?

O “Phishing” é uma “vigarice” que utiliza SPAM ou mensagens de pop-up para ludibriar pessoas no sentido de revelarem números de cartões de crédito, informação de contas bancárias, números de segurança social, passwords e outro tipo de informação confidencial ou sensível.

Basicamente o utilizador recebe um e-mail supostamente de uma entidade credível, mas que na verdade o reencaminha (através de um URL/link ou) para um site com um design igual mas que, na verdade é apenas uma cópia do original, levando o utilizador a colocar dados pessoais e a ser enganado. O utilizador recebe normalmente uma informação a referir que os dados estão errados, mas na verdade o dados já estão do lado do atacante. Técnicas como DNS Poisoning (manipulação de entradas no DNS) são também bastante usadas neste tipo de ataques.

O mundo do hacking…

O mundo do hacking também evolui e é normal que os “piratas” usem mecanismos que levem a crer que um determinado site é mesmo legítimo.

Se considerava um site legitimo por este ter HTTPs, então é melhor esquecer tal “teoria”, pois, segundo um estudo recente, cerca de metade dos sites de Phishing já usam “https://”.

De acordo com um estudo da PhishLabs 49% de todos os sites de Phishing já têm certificados SSL associados e nesse sentido o facto de o site estar disponível em HTTPs não significa que o mesmo seja legítimo.

Para ajudar a verificar se um site faz parte de um esquema de Phishing, podem aceder a phishtank.com e verificar se este se encontra listado.

De referir que este site é mantido por uma comunidade de utilizadores que livremente indicam sites que fazem parte de esquemas de Phishing.

Não é um site de Phishing? Olhe bem…

Considere a imagem do site seguinte! Parece-lhe legítimo? Aparentemente parece, no entanto, se repararem bem no URL verificam que o “i” é estranho. Na verdade, trata-se de um IDN – Internationalized domain name e o endereço real aponta para https://www.xn--bbox-vw5a[.]com/login.

Neste caso o problema está no próprio URL que apesar de parecer legítimo não o é, isto por causa dos caracteres unicode que permitem URLs com caracteres existentes em outros idiomas que são muito parecidos com os que conhecemos.

Tanto o Chrome como o Firefox apresentam os links com os caracteres unicode e não no formato punycode. Saiba como se proteger aqui.

Além destas “técnicas” existem muitas outras. Nesse sentido, cada vez é mais importante saber onde se clica e quais os sites que visitamos para não virmos a ser vítimas de um site de phishing. Estejam atentos!

Fonte: pplware.sapo.pt

Dica: Como restaurar as predefinições da firewall do Windows 10

Tal como nos outros sistemas operativos, também o Windows 10 tem presente uma firewall, que a maioria vê ativamente a ser usada. A verdade é que esta cumpre o seu papel de forma silenciosa.

Também, como outro qualquer software, está disponível para os utilizadores alterarem e configurarem. Mas o que fazer quando as alterações bloqueiam o acesso à Internet e às aplicações? Bom, vamos ver o que fazer!

Precisa de assistência informática ou aconselhamento? Clique aqui

Uma firewall permite que um computador esteja protegido de ataques numa rede, aplicando políticas de segurança e garantindo que apenas o tráfego autorizado entra ou sai do computador.

Por norma a firewall do Windows é simples e prática de usar, sendo simples adicionar, remover ou editar regras. No entanto, e com o aumentar das regras aplicadas, podem existir problemas.

Como restaurar as predefinições da firewall do Windows 10

O Windows tem uma forma simples e rápida para restaurar as predefinições da firewall do Windows 10. O primeiro passo leva a que os utilizadores abram a Segurança do Windows.

Ai dentro, no separador Firewall e proteção da rede, que encontram do lado esquerdo, devem aceder ao final das opções presentes.

A opção que procuram está mesmo no fim e tem o nome Restaurar as predefinições das firewalls. Esta apresenta-se na forma de um link de texto.

Ao escolherem essa opção vão abrir uma janela do Painel de Controlo, onde será possível restaurar as predefinições da firewall. Basta carregar nesse botão.

Será ainda mostrada uma caixa de confirmação, onde é mostrado ao utilizador uma mensagem que indica que as regras aplicadas vão ser removidas. É indicado também que algumas apps podem deixar de funcionar corretamente.

Apos esta confirmação a firewall do Windows 10 estará limpa e as apps que necessitarem de acesso à rede vão reiniciar o processo de pedido de acesso, tanto para a rede local como para a Internet.

Este é um processo simples e que muitas vezes consegue resolver problemas de rede. Limpa todas as regras e políticas aplicadas, com um simples clique de um botão, colocando a firewall do Windows 10 limpa e a aguardar as novas instruções do utilizador, para o proteger da melhor forma.

Fonte: pplware.sapo.pt

Dica: Saiba como rodar o ecrã do seu computador no Windows 10

Com a mudança do Windows 7 e 8.1 para o Windows 10, alguns dos atalhos que nos habituámos a usar caíram em desuso e foram removidos. Um deles, a rotação do ecrã, que muitos usavam em situações de apoio, acabou por desaparecer e ser transformado numa opção.

Hoje vamos explicar como podem rodar o ecrã do seu computador no Windows 10, revelando onde a nova opção está disponível e como pode ser usada.

Precisa de assistência informática ou aconselhamento? Clique aqui

Muitos utilizadores do Windows 10, que usam vários monitores e diferentes configurações, já perceberam que o bem conhecido atalho de teclado Ctrl+Alt+Seta Esquerda deixou de funcionar.

Com o desaparecer desta opção, deixou de ser possível rodar a imagem do computador de forma simples e direta, não sem a Microsoft ter deixado presente uma alternativa, que vamos agora conhecer.

Como rodar o ecrã do seu computador no Windows 10

Agora, e no Windows 10, para rodar o ecrã, o utilizador precisa de aceder às Definições e depois à opção Sistema. Ai dentro encontra o separador Ecrã, e no final tem a zona Orientação.

Ao abrir essa a caixa disponível nessa área vão encontrar 4 opções: Horizontal, Vertical, Horizontal (virada) e Vertical (virada). Cada uma destas 4 opções coloca o ecrã numa diferente orientação, devendo ser escolhida a pretendida.

O utilizador tem de concordar com a rotação

Para que a mesma seja aplicada, e depois de o ecrã ser rodado, o utilizador tem 12 segundos para confirmar que pretende manter as definições. Caso não o faça, o este voltará à posição inicial, como seria esperado.

Lembrem-se que a partir desse momento o rato será alterado e os seus movimentos vão passar a estar alinhados com a orientação do Windows 10. Devem por isso ter atenção à movimentação do rato, que abandona os movimentos tradicionais e os eixos de orientação conhecidos.

Esta é a nova forma que devem usar para mudar a orientação do ecrã do seu computador no Windows 10. A Microsoft abandonou um atalho de teclado que muitos usavam ser saber e agora promoveu-o a uma opção das Definições, mais controlada e integrada.

Fonte: pplware.sapo.pt

Dica: Como conseguir poupar ainda mais dados e a bateria do seu Android

Sempre que ligamos o nosso smartphone à Internet estamos a consumir dados, que muitas vezes queremos guardar para usar noutras situações. A solução passa por usar redes Wi-Fi, mas mesmo nestes casos, e muitas vezes, os dados da operadora são consumidos.

O Android tem uma opção, escondida, que consegue controlar a utilização das ligações às redes dos operadores nestas situações e que tem ainda como vantagem a possibilidade de poupar alguma bateria. Vamos ver como usar esta opção.

Em alguns dispositivos Android, os fabricantes resolveram garantir a melhor experiência de utilização no acesso à Internet e para isso mantêm a ligação de dados ativa. O resultado desta opção é um consumo anormal de dados e um consumo mais elevado de bateria.

Existe forma de fazer esta alteração, de uma maneira simples e rápida. Desta forma consegue-se poupar ainda mais dados e garantir uma vida útil maior na bateria do seu Android

Como ativar o Modo de programador no Android

O primeiro passo é a ativação do modo de programador no Android, uma vez que a opção que querem desativar está dentro desta área. Para isso acedam às Definições e depois a Sistema.

Na zona Sobre o telefone devem carregar repetidamente na área Número de compilação, até surgir a mensagem “Agora é um programador!“. Após surgir esta mensagem, o Modo de programador do Android está ativo.

Desativar opção Dados móveis sempre ativos com o Wi-Fi

Agora que o Modo de programador do Android está ativo, devem aceder-lhe. Isto é feito dentro da área Sistema. Vão ver aí a nova opção Opções de programador, onde devem aceder.

Na lista de opções disponíveis, na área Redes, vão ter presente a opção Dados móveis sempre ativos. Esta opção deve ser desligada para que o Android passe a desligar as ligações às redes dos operadores móveis com o Wi-Fi ativo.

Como resultado, a mudança entre redes será mais lenta, podendo provocar algumas quebras momentâneas. De resto, os ganhos são superiores, com menores consumos de ligação à Internet e menores consumos de bateria.

Fonte: pplware.sapo.pt

Dica: Como validar que o Trim está ativo no seu SSD do Windows 10

É um dado adquirido que o armazenamento SSD é uma das melhores formas de acelerar um computador. Ao não ter partes móveis, consegue ser mais rápido e gerir melhor a forma como os dados são armazenados e acedidos.

A sua gestão é também mais simples graças a algumas ferramentas. O Trim é essencial e o Windows 10 tem essa opção presente e disponível para os utilizadores usarem de forma automática. Mas será que está ativa?

A mudança de um disco mecânico para uma drive SSD é algo que consegue dar uma vida nova a um computador. Por norma, e quando ligado a um sistema operativo, a sua gestão é simples e até quase automática. Para isso precisam de ter o Trim ativo.

Como verificar se o Trim está ativo no Windows 10

O primeiro passo é abrir uma janela de DOS, com permissões de administrador e executar o comando “fsutil behavior query DisableDeleteNotify“. Os resultados apresentados mostram o estado do Trim.

O valor DisableDeleteNotify deve estar como valor zero (0). Caso apresente o valor um (1), então necessitam de ativar o Trim, com o comando “fsutil behavior set DisableDeleteNotify 0“.

Qual a importância do Trim num SSD

O Trim realiza a gestão do espaço que não está a uso num SSD e que pode ser eliminado. Caso esteja ativo no Windows 10, a gestão é automática e a otimização do SSD é realizada uma vez por semana.

Para validarem a configuração do Windows 10 só precisam de pesquisar por Desfragmentar e otimizar Unidades. Na janela que for aberta podem verificar para cada SSD a data da última otimização. Se necessitarem usem o botão Otimizar para a realizar na hora.

Alterar as definições do Trim no Windows 10

Algo que podem fazer é alterar a periodicidade da otimização. Carreguem no botão Alterar definições e alterem a frequência com que o Trim é aplicado e o espaço que não está a ser usado é recuperado.

Podem ainda escolher que unidades podem ver aumentada a periodicidade da otimização em caso de falha, para prevenir problemas.

Esta é a forma simples que podem usar para garantir a saúdo do vosso SSD e até o próprio desempenho do Windows 10, tornado-o mais rápido e mais ágil a realizar as tarefas que necessitam e que lhe pedem.

Fonte: pplware.sapo.pt

Depois do Windows 10, agora é a atualização do Office a ser retirada

As atualizações dos produtos da Microsoft têm estado a correr de forma desastrosa. Depois de todos os problemas que se conheceram na atualização de outubro do Windows 10, surgiu agora um problema grave, desta vez com o Office.

Depois de todos os problemas que surgiram com a última grande atualização do Windows 10, a Microsoft deveria ter garantido que oferecia ao utilizador um melhor serviço.

Na verdade os problemas parecem ter aumentado e alastraram agora ao Office. As atualizações lançadas na Patch Tuesday, para o Office 2010, 2013 e 2016, estiveram a apresentar problemas e foram removidas no passado sábado, dia 17.

Segundo o que é descrito, duas dessas atualizações, a KB4461522 e a KB2863821, depois de instaladas estão a impedir que algumas aplicações do Office arranquem.

Para além de retirar do ar estas atualizações, a Microsoft recomenda que as mesmas sejam desinstaladas para resolver o problema, ainda que de forma temporária.

Após este passo só resta mesmo esperar que, mais uma vez, a Microsoft resolva o problema desta atualização.

Esperava-se que o controlo de qualidade das atualizações tivesse sofrido uma melhoria significativa, mas aparentemente ainda está sujeito a falhas graves.

Fonte: pplware.sapo.pt

Junta-te à Festa do Software Livre

Há várias nuances que distinguem o software livre do software proprietário que normalmente habita os nossos computadores.

Para além da parte técnica, de geralmente serem resultado de esforço de equipas mais ou menos voluntárias, distingue-o também a forte comunidade que orbita em seu redor, permanentemente disponível para responder a dúvidas ou dar umas dicas.

Festa do Software Livre da Moita volta a realizar-se naquele município, na zona de Lisboa, no fim-de-semana de 23 a 25 de Novembro. O evento – que é promovido pela Associação Nacional para o Software Livre (ANSOL), pela Humaneasy Consulting e pela Câmara Municipal da Moita – conta com a colaboração de diversos grupos e organizações ligadas ao software livre em Portugal, além do apoio e patrocínio de diversas entidades públicas e privadas.

Esta segunda edição da Festa do Software Livre da Moita apresenta um programa de palestras, demonstrações, workshops, hackatons e outras atracções. O evento terá ainda uma zona dedicada à instalação gratuita e assistida de software livre, em que qualquer pessoa pode levar o seu computador – portátil ou não – para que lhe seja instalado uma versão de GNU/Linux ou OpenBSD, sistemas operativos livres, e aplicações diversas de software livre.

O evento conta com a presença e colaboração da comunidade portuguesa de software livre nas suas diferentes acepções: Comunidade Ubuntu Portugal, Wikimedia Portugal, OSGeo Portugal, Drupal Portugal, D3, RepRap, Linux Tech, entre outros.

A primeira Festa do Software Livre da Moita foi organizada em 2004 nas instalações da extinta Universidade Independente, no Palheirão. Esta segunda edição terá lugar no Pavilhão Municipal de Exposições da Moita. A entrada é livre e gratuita.

Fonte: shifter.sapo.pt

Microsoft prepara-se para dar uma nova cara ao Windows 10 na próxima grande atualização

A Microsoft tem conseguido dar ao Windows 10 uma nova imagem, tendo recuperado a sua linha mais tradicional dos sistemas operativos. Lentamente este sistema está a ser totalmente remodelado e renovado, com muitas melhorias estéticas.

Na próxima grande atualização, que a Microsoft deverá lançar no início do próximo ano, esperam-se ainda mais melhorias e novidades. Uma delas é a renovação da própria imagem do Windows 10.

Ainda não tem uma data definida para chegar, mas a Microsoft já começou a detalhar o que a próxima grande atualização do Windows 10 vai trazer. Focando-se na parte gráfica e estética, a Microsoft quer renovar a cara do Windows 10.

Há um novo tema ligth no Widows 10

Para isso, prepara-se para nos dar um tema light, que muda completamente a interface do Windows 10, indo desde o menu inciar até à própria barra de tarefas e passando por áreas como o teclado virtual.

Para compor ainda mais este cenário de alteração, a Microsoft propõe também uma nova imagem de fundo, adaptada a toda esta nova imagem. Ativar este novo tema light requer apenas alguns cliques nas Definições.

Alterações profundas nas atualizações do Windows 10

Falar do Windows 10 nestes dias obriga necessariamente a referir as atualizações. A Microsoft volta a mudar mexer nesta área e agora dá aos utilizadores a possibilidade destes colocarem em pausa as atualizações de forma mais direta.

Também a forma como estas atualizações vão ser instaladas está a mudar. O SO da Microsoft passa a contar com alguma inteligência nesta área e apenas fará a instalação em horas que o utilizador não esteja a usar a sua máquina.

A snipping tool está também melhorada

A nova ferramenta de captação e recorte de imagens do Windows 10 foi também melhorada. Depois de ter recebido a possibilidade de ter um contador de tempo, tem agora a possibilidade de captar janelas de forma direta.

Por outro lado, e para facilitar a sua utilização, esta ferramenta de captação de imagens passa a memorizar a opção do utilizador e sempre que é lançada é essa a opção a uso.

Todas estas novidades, mesmo sendo apenas para a próxima grande atualização do Windows, estão já a ser disponibilizadas a todos os que estão no canal Fast do programa Insiders do Windows 10.

Fonte: pplware.sapo.pt

Afinal a atualização de outubro do Windows 10 tem falhas e trouxe novos problemas

Depois de todos os problemas bem conhecidos que teve e que impediram a instalação da atualização de outubro do Windows 10, esperava-se que o seu regresso fosse isento de falhas e de situações anormais.

A Microsoft teve esta versão, com a correção de falhas, em testes durante um mês, de modo a garantir que sairia perfeita. Afinal, e como se sabe agora, a atualização de outubro do Windows 10 continua a ter falhas e trouxe até novos problemas.

Foi ante-ontem que a Microsoft voltou a disponibilizar a sua mais recente atualização do Windows 10. A atualização de outubro estaria novamente capaz de ser instalada e todos os problemas teriam sido resolvidos.

Novos problemas na atualização de outubro do Windows 10

A verdade é que estes continuam presentes, desta vez com menor gravidade, mas ainda assim a impedir a sua correta utilização por todos os utilizadores.

Um problema agora revelado está nos mapeamentos de rede. Estes surgem no Explorador de Ficheiros como tendo problemas e impedindo a sua utilização. Uma análise mais correta irá revelar que não existe qualquer problema com estes atalhos de rede.

Outros problemas da atualização de outubro do Windows 10

Para além do problema dos atalhos de rede, muitos utilizadores estão a queixar-se de falhas no funcionamento de software da Trend Micro. O OfficeScan e o Worry-Free Business Security deixaram de poder ser usados. Sabe-se que a Trend Micro deverá em breve ter uma atualização para resolver estes problemas.

Há ainda relatos de problemas nas placas de vídeo da AMD, as Radeon HD 2000 ou HD 4000, que em certas aplicações da Microsoft deixam de funcionar, com o erro “INVALID_POINTER_READ_c0000005_atidxx64.dll”. A Microsoft e a AMD já estão a trabalhar numa solução.

Esperava-se mais desta atualização, em especial após ter estado 1 mês em testes no programa Insiders. Os grandes problemas foram resolvidos, mas estas pequenas falhas continuam presentes e a assombrar uma atualização que se esperava pacífica e rápida.

Fonte: pplware.sapo.pt