Pesquisar por:

Como mudar o browser por defeito no Windows 10

O Windows 10 trouxe um novo browser, o Microsoft Edge, que se tornou o browser por defeito a ser usado no Windows 10.

Com o Windows 10 o Microsoft Explorer foi deixado de lado, continua presente no sistema operativo mas poucos utilizadores o usam tendo me conta as alternativas. O descendente do IE é mais rápido, seguro e com novas funcionalidades, não sendo por isso de estranhar a escolha dos utilizadores.

Se por acaso é daqueles utilizadores que não acha muita piada ao Edge e prefere usar um outro browser, como o Google Chrome, Opera ou outro qualquer, saiba como é que pode mudar as definições para que os links sejam aberto nesse outro browser.

 

1 – Pressione a tecla de Windows + S para abrir a janela de pesquisa do Windows.

2 – Escreva “Predefinições da aplicação” e escolha o item que corresponde às definições de sistema, na lista dos resultados.

3 – Na janela que vai abrir vá deslizando até encontrar o item relativo aos browsers.

4 – Clique em cima do browser que está definido. Vai-lhe aparecer uma listagem dos browsers que tem instalados no seu computador.

5 – Clique em cima do browser que pretende definir como o browser pode defeito.

6 – Pode fechar a janela das definições.

 

 

 

E já está.

Já tem um novo browser definido por defeito. Se entretanto mudar de opinião pode sempre alterar a opção quantas vezes quiser.

 

FONTE: maistecnologia.com

Estudos revelam que Google Assistant é mais inteligente que a Alexa e a Siri

Os assistentes virtuais têm ganho uma preponderância cada vez maior na rotina diária. Capazes de nos ajudar, dependemos da sua inteligência e capacidade de compreensão para executarem as ordens e os comandos que lhes damos.

Dois estudos recentes mostraram que o Google Assistant é de todos o mais inteligente e que bate a concorrência por muito, deixando a Alexa e a Siri muito longe.

O trabalho que a Google tem feito com o Google Assistant mostra bem o empenho da empresa nesta área. Cada vez mais inteligente e com capacidade de compreensão, ajuda os utilizadores tanto no Android como nos vários dispositivos onde está presente.

Google Assistant, o mais inteligente dos assistentes virtuais

Vários estudos têm mostrado que o Google Assistant é de todos os assistentes o mais inteligente e mais capaz de entender os utilizadores. Uma nova avaliação, feita pela Stone Temple Consulting, voltou a mostrar este ponto, com um destaque para a aprendizagem que foi feita no último ano.

Este estudo comparou várias assistentes com mais de 5 mil diferentes perguntas, registando as respostas dadas e o seu grau de correção. Ao mesmo tempo, comparou ainda com os valores do ano passado.

A vitória do assistente da Google é total, com mais de 90% das questões respondidas e com um grau de 80% de correção. Interessante é ver que quando o Google Assistant passa do smartphone para o Google Home este valor altera-se. Aqui as respostas dadas descem para 85% e a sua correção é de apenas 65%.

A concorrência acabou por ficar longe, com exceção da Cortana que esteve muito perto. Temos a Alexa que responder a 80% das questões, mas apenas 50% corretas e a Siri, que também respondeu a 80% das questões e acertou apenas 40% das respostas.

A análise das respostas dadas pelo Google Assistant

Um segundo estudo, feito pela ROAST, focou-se nas respostas do Google Assistant. Depois de 10 mil questões conseguiram entender que nem sempre as respostas deste assistente são coerentes, apenas de corretas.

Foi possível compreender que em muitos casos a resposta dada não correspondia ao que era apresentado na interface. As respostas diferiam não apenas na sua origem mas também na informação apresentada, muitas vezes de sites web diferentes.

Há ainda muito trabalho a ser feito para tornar estes sistemas mais capazes e com um maior grau de autonomia. Por agora são úteis, mas requerem que os utilizadores aprendam a entender a informação apresentada. O futuro trará assistentes mais capazes e com ainda maiores capacidades.

FONTE: pplware.sapo.pt

As novidades que vai encontrar no “novo” Gmail

A Google vai permitir a definição de uma “data de validade” para e-mails enviados a partir da sua nova versão do Gmail, que a partir de hoje estará disponível em testes para 1.400 milhões de utilizadores em todo o Mundo “. Um novo modo confidencial permite que controle acções como enviar, copiar, descarregar ou imprimir a sua mensagem, o que é útil quando tem que enviar informações confidenciais “, segundo o que a empresa da Califórnia descreveu numa declaração.

Dessa forma, há uma” opção para fazer uma mensagem expirar após um período definido para ajudá-lo a manter o controlo das suas informações “, acrescentou a Google. Segundo o portal The Verge, o gestor de produto do Gmail, Jacob Bank, as alterações visam melhorar a produtividade e segurança do utilizador e usa a gestão de direitos integrados (IRM) e autenticação de dois fatores (2FA). No entanto, Bank indicou a esse portal que o modo confidencial estará disponível “nas próximas semanas”, ao contrário do resto das funcionalidades daquela versão. Através do seu novo desenho, o Gmail torna mais acessíveis um conjunto de tarefas como abrir anexos e fotos da sua caixa de entrada sem ter que aceder às próprias mensagens.

De acordo com o conjunto de novidades, também pode arquivar, excluir, marcar mails como lidos ou não lidos sem os abrir, além de que haverá um botão de repetição para adiar a leitura para outro momento conveniente. Do mesmo modo, a nova versão inclui alertas para rastrear mensagens recebidas há vários dias, para que haja notificações específicas para mensagens de alta prioridade, ou para identificar conteúdo potencialmente perigoso. “Temos aumentado dramaticamente o nosso investimento na proteção de phishing (delito informático)”, disse Bank, sublinhando, a propósito desta função, que as mensagens de risco ou potencialmente fraudulentas serão apresentadas a vermelho. Para evitar que se acumulem mensagens, o Gmail vai igualmente sugerir quando poderá ser uma boa ocasião para cancelar subscrições que raramente foram acedidas pelo utilizador, revelando mesmo quando foi a última vez que esse tipo de mensagens foi acedido.

A empresa estará a preparar também a chegada das respostas inteligentes à versão web do Gmail, algo que já existe nas aplicações do serviço para telemóveis Android e iPhones. Com recurso a algoritmos e inteligência artificial, o Gmail é capaz de definir um conjunto de respostas possíveis aos emails recebidos. O utilizador pode optar, assim, por escrever manualmente uma resposta, ou enviar uma resposta já escrita, à distância de um clique. Outras novidades passam possibilidade de abrir aplicações como o Calendar ou Keep the Task dentro do próprio Gmail, algures com recurso a uma barra lateral.

FONTE: maistecnologia.com

Chegou o Ubuntu 18.04 LTS (Bionic Beaver) – Conheçam as novidades

Hoje, tal como estava previsto, foi disponibilizada a versão final do Ubuntu 18.04 LTS (Bionic Beaver).

A distribuição Linux da Canonical continua a ser uma das mais populares do mundo. Nos últimos anos têm acontecido algumas alterações de peso nesta distribuição, como por exemplo o abandono da interface Unity, mas há também novos recursos adicionados.

Venham conhecer as novidades desta nova versão.

O Ubuntu 18.04 é uma versão LTS, o que significa que a Canonical irá suportar esta distribuição durante os próximos 5 anos, ou seja, até 2023. A nova versão do Ubuntu está já disponível nas versões Desktop, Server, Cloud e outras variantes.

Quais as novidades do Ubuntu 18.04 LTS (Bionic Beaver)?

  • Deixou de existir uma versão de 32 bits para a versão Desktop
  • Ubuntu Desktop passa a usar o ambiente gráfico Gnome em vez da interface Unity
  • Kernel foi atualizado para a versão 4.15
  • Possibilidade de proceder a uma “instalação mínima”
  • Gnome foi atualizado para a versão 3.28. O Gnome Shell passa a suportar Thunderbolt 3
  • GDM substitui o LightDM como gestor de logins
  • Python 2 deixa de vir instalado por omissão
  • OpenSSH apenas funciona com chaves superior a 1024 bits
  • gconf deixa de vir instalado por omissão
  • LibreOffice 6.0
  • Incluida app To-Do
  • App Characters foi substituída pela app Character Map
  • App calendário passa a suportar previsão do tempo

Para obter o novo Ubuntu 18.04 LTS, (Bionic Beaver) acedam aqui. Nos próximos artigos iremos ensinar a instalar esta nova versão e conhecer melhor as novas funcionalidades.

FONTE: Pplware.sapo.pt

Microsoft confirma atualização do Windows 10 em abril com novos recursos

A próxima grande atualização para o Windows 10 deverá ocorrer em qualquer momento durante este mês, embora uma das questões que ainda precisa ser respondida seja como se chamará essa atualização. Por agora, nós temos uma resposta, apesar de ainda não ter sido anunciada oficialmente, parece que a Microsoft vai chamá-la de “Spring Creators Update”. Esse nome é baseado numa nova versão Release To Manufacturing (RTM) que a Microsoft lançou recentemente com o seu programa Windows Insider.

windows 10
Windows 10

Também conhecido como Redstone 4, o Microsoft Edge ganha uma atualização de servidor e, quando acionado, carrega uma página de boas-vindas do MSN que diz “Bem-vindo à atualização de abril”. Essa página de boas-vindas promove alguns recursos novos, bem como a possibilidade de retomar atividades passadas na linha do tempo e a capacidade de partilhar arquivos com dispositivos próximos. Com base no que foi testado em compilações de pré-lançamento haverá um conjunto de outras melhorias. Por exemplo, a Microsoft reconstruiu a Game Bar com uma nova UI de design Fluent, adicionou uma ferramenta de visualização de dados de diagnóstico à seção de segurança e privacidade e a Cortana é mais simples de utilizar com uma nova interface do Organizer e o separador “Habilidades”.

Ainda não se sabe exatamente quando a atualização será lançada ao público. Acreditava-se que a Microsoft lançava a atualização no dia 10 de abril, mas clicou no botão “interromper” no último minuto por causa da descoberta de um erro. E, também existem relatos de um segundo erro, o qual causou uma atraso ainda maior!

A única coisa que a Microsoft confirmou oficialmente foi que a atualização demorará menos tempo (em modo offline) do que as atualizações anteriores. Dito isso, espera-se que a nova atualização seja realizada em 30 minutos em vez de 51 minutos. Mantenha-se connosco, pois acreditamos que a atualização seja lançada durante esta semana.

FONTE: maistecnologia.com

Como colocar novamente o Google como motor de pesquisa no Chrome

Saiba como pode colocar novamente o Google como o motor de pesquisa por defeito no Google Chrome.

Se prefere usar o Google mas por alguma razão alguém lhe mudou o motor de busca saiba que pode facilmente reverter esta alteração.

Precisa de assistência informática ou aconselhamento? Clique aqui

Quando vir que o motor de busca foi alterado, deve em primeiro lugar tentar perceber de onde veio esta mudança. Se por acaso alguém utilizou o seu computador deve falar com essa pessoa para ver se foi ela que mudou. Em caso afirmativo não tem mais com que se preocupar.

Se é o único utilizador do computador então poderá ter outros problemas. Por vezes durante a instalação de software gratuito o motor de busca por defeito é alterado para outro que renda algum dinheiro aos criados do programa. A grande maioria das vezes é perguntado se pretende alterar o motor de busca mas é feito de forma tão dissimulada que passa despercebido. Tente lembrar-se se instalou algum programa quando notou esta alteração.

A outra hipótese é a que poderá ser mais problemática. Certos malwares mudam o motor de busca para tentar tirar proveito disso. Seja proveito monetário ou como uma forma de aceder às suas pesquisas e tentar roubar as suas informações. O melhor será correr um antivírus ou um outro programa que faça uma pesquisa no seu computador por malware.

Quando resolver esta questão só tem de voltar a colocar o Google como o motor de pesquisa por defeito, seguindo estes passos:

1 – Abra o Chrome e clique no ícone de menu que se encontra no topo superior direito, os três pontos alinhados na vertical.

2 – Vá até às definições.

3 – Deslize para baixo até encontrar a opção “Motor de pesquisa”.

4 – Na opção “Motor de pesquisa utilizado na barra de endereço” só tem de escolher novamente o Google.

5 – Agora tem de reiniciar o Chrome para que seja aplicada a alteração.

6 – Faça uma pesquisa e confirme que tem novamente o Google como motor de pesquisa.

FONTE: maistecnologia.com

5 distros Linux para fazer voar o seu computador antigo

Com o passar dos tempos e com a aquisição de novos PCs, vamos guardando no sótão, na garagem ou num sítio escondido lá de casa o nosso PC mais antigo. Aquela caixa já com um pouco de ferrugem, um monitor ainda CRT, um teclado já meio sujo e até um rato com bolinha.

Mas porque não dar uma nova vida a essa PC? Escolha uma das distribuições que sugerimos hoje.

Puppy Linux

Puppy é uma pequena distribuição Linux que permite tornar qualquer PC (mesmo os mais antigos), numa máquina super simples, rápida e segura. Esta distribuição foi desenvolvida inicialmente por Barry.

Requisitos mínimos:

CPU:333MHz
RAM: 64 MB (aconselhável 256 MB)
HDD: n/a

Lubuntu

O Lubuntu é a distribuição perfeita para computadores com baixo poder computacional. Esta distribuição vem com o ambiente gráfico de trabalho LXDE – Lightweight X11 Desktop Environment que é recomendado para máquinas com hardware um pouco mais limitado ou antigo (ex. pouca RAM, processador fraco e até pouco espaço em disco) e que cumpre, em termos funcionais, os requisitos para gestão de qualquer PC.

Requisitos mínimos:

CPU: Pentium 4, Pentium M, AMD K8 ou superior
RAM: 512 MB
HDD: 3 GB

LXLE

O LXLE é uma distribuição baseada no Lubuntu que traz o LXDE como ambiente gráfico de trabalho. Esta distribuição é extremamente rápida, fluída e estável.

Requisitos mínimos:

CPU: Pentium 3 (Pentium 4 recomendado)
RAM: 512 MB (1 GB+ recomendado)
HDD: 8 GB

TinyCore

Necessitando apenas de 12 MB, o Tiny Core Linux é uma das distribuição mais pequenas, que traz consigo as aplicações essências para um funcionamento básico do sistema .

O Tiny Core Linux foi desenvolvido para correr a partir da memória RAM, o que torna esta distribuição bastante rápida. Quem pretender experimentar o Tiny Core Linux tem à disposição três diferentes cores, ou seja, 3 configurações/versões diferentes:

Core (8MB) – Tiny Core Linux apenas com CLI
TinyCore (12 MB) – Inclui ambiente gráfico e suporte para ligações à rede por cabo
CorePlus (64 MB) – Inclui ambiente gráfico e além do suporte para ligações à rede por cabo inclui também suporte para ligações wireless

Requisitos mínimos:

CPU: Intel i486DX
RAM: Depende da versão
HDD: n/a

Bodhi Linux

O Bodhi Linux é um pequeno mas potente sistema operativo, que pode ser personalizado de acordo com as necessidades de cada utilizador.

O Bodhi Linux é uma semi-rolling distro baseado no Ubuntu e vem com um conjunto de ferramentas pré-instaladas como por exemplo o Midori, LXTerminal, PCManFM, Leafpad ou o Synaptic. Veja aqui outras aplicações que estão disponíveis via AppCenter.

Requisitos mínimos:

CPU: 500 mHZ
RAM: 128 MB
HDD: 4 GB

E são estas as sugestões que deixamos hoje para quem tem máquinas antigas e não sabe o que lhes fazer. É claro que continuará a ter uma máquina limitada, mas poderá realizar muitas tarefas. Como se diz hoje, uma máquina com um browser faz quase tudo.

FONTE: pplware.sapo.pt

Google revelou falha do Windows 10 S depois da Microsoft não a resolver

Garantir a segurança dos sistemas operativos é essencial Depois de descobertas devem ser tratadas o mais depressa possível. A Microsoft tem em mãos uma falha do Windows 10 S e, mais uma vez, a Google revelou-a antes desta estar resolvida.

Não é a primeira vez que a Google se antecipa à Microsoft e revela ao mundo as falhas de segurança dos produtos da casa que criou o Windows. Esta é uma situação que deixa vulneráveis os utilizadores, pois pode levar a que sejam exploradas.

Mais uma vez esta situação aconteceu e a Google, no seu Project Zero, revelou uma falha antes de estar resolvida. Desta vez é de nível médio e o afetado é o Windows 10 S.

A falha anunciada, ainda que não sendo de importância elevada, pode levar a que seja executado código sem autorização do utilizador e a que os seus dados sejam roubados.

Quando a Google descobriu o problema, alertou de imediato a Microsoft. Isto aconteceu no dia 19 de janeiro deste ano. Tendo falhado a sua correção no lançamento da atualização de segurança Patch Tuesday de abril, a Microsoft pediu para atrasar a revelação da falha.

Estando fora do período de 90 dias que a Google oferece para resolução dos problemas, este pedido foi recusado, tendo a falha agora sido revelada e ficado exposta ao mundo.

Esta falha afeta os sistemas que têm o Device Guard ativo, fazendo do Windows 10 S o alvo principal, por ter esta opção ativa por padrão. Importa notar que a falha apenas pode ser explorada com acesso físico à máquina e que esta terá de estar a correr já código do atacante.

Windows 10 S Google Project Zero Microsoft

Não se sabe ainda quando a Microsoft lançará esta atualização, mas esta revelação deverá agora acelerar a sua correção. A baixa penetração do Windows 10 S, que terá até provocado alterações profundas no conceito, faz baixar ainda mais o nível de severidade desta falha.

O curioso desta situação, para além do facto de ter sido revelado antes de a Microsoft o resolver, é que está a afetar uma versão do Windows que estava identificada como sendo a mais segura e que conseguiria proteger os utilizadores e os seus dados. Cai assim por terra a invulnerabilidade desta versão.

FONTE: pplware.sapo.pt

Ultimate Ears Megablast: obtenha o controlo por voz do Spotify

Hoje em dia, não é normal que os alto-falantes sem fio tenham algum tipo de recurso de streaming de música ou um assistente digital como a Alexa ou a Siri. Mas, agora, dois dos melhores dispositivos do mercado passam a incluir os dois. Quando analisamos o Ultimate Ears Blast e o Megablast, inicialmente ficámos desapontados por não terem recursos como o Spotify através de Wi-Fi associado ao assistente virtual, Alexa. Mas, a última novidade da Logitech, passado meio ano foi apostar nesta funcionalidade e integrá-las nestes alto-falantes.

“Alexa, toque no meu Discover Weekly”, isto deverá ser tão rápido e conveniente através do controlo por voz do Megablast e do Ultimate Ears Blast que você nunca mais se esquecerá de nada. Afinal, estes dispositivos trouxeram a Alexa, algo que já estava incluído no Pandora, na Amazon Music, na Deezer, na SiriusXM, no Tuneln ou no iHeartRadio. Mas espere…existe mais novidades!

As pessoas não conseguirão somente controlar por voz o Spotify como também poderão obter o Spotify Connect. Agora, você pode reproduzir facilmente as suas músicas do Spotify, quando os alto-falantes estiverem com uma ligação Wi-Fi, sem precisar de conetar o seu smartphone via bluetooth. Falando nessas duas tecnologias, você poderá também juntar mais um sete membros (além de você) e formar um grupo. Mas, infelizmente, este recurso só estará disponível em breve, estando programado para ser lançado no final deste ano.

Por agora, aquilo que pode aproveitar com a última atualização do Megablast e do Ultimate Ears Blast é o controlo do volume e o estado da bateria através da aplicação do Ultimate Ears. Na Amazon, o Ultimate Ears Blast tem um custo médio de 147 dólares, enquanto o Megablast poderá alcançar os 200 dólares. Já teve a oportunidade de experimentar algum destes dispositivos? Que achou?

FONTE: maistecnologia.com

O Windows Defender agora também já pode proteger o Chrome da Google

As questões de segurança e privacidade estão na ordem do dia e preocupam cada vez mais os utilizadores da Internet. Os sistemas operativos têm as ferramentas necessárias, mas por vezes precisam de alguma ajuda extra.

A Microsoft, que tem no Windows Defender a sua arma neste campo, resolveu agora dar uma ajuda ao Chrome, disponibilizando uma extensão para o browser da Google que protege os utilizadores.

Na prática, o que o Windows Defender Browser Protection traz para o Chrome é uma camada de proteção adicional, ao garantir que os sites acedidos são fidedignos e que não representam perigo para os utilizadores.

Como funciona o Windows Defender Browser Protection

Sempre que um desses sites é detetado, a extensão impede o acesso e mostra uma mensagem ao utilizador, alertando-o para os perigos e para os problemas que poderá ter.

As áreas de atuação do Windows Defender Browser Protection são os sites maliciosos, com uma lista de endereços bem conhecida, a filtragem de malware desses mesmos sites e a prevenção de ataques de phishing recebidos por email.

A Microsoft garante que o Windows Defender tem um grau de eficiência contra ataques de phishing de 99%, bem acima dos 87% que o Chrome da Google tem e os 70% do Firefox da Mozilla.

Na verdade, o que a Microsoft está a oferecer com o Windows Defender Browser Protection é algo que a Google já tem implementado no seu browser, através do Google Safe Browsing.

As normais preocupações de privacidade

Claro que assim que o Windows Defender Browser Protection foi conhecido surgiram de imediato questões de privacidade. A Microsoft, para avaliar os sites acedidos, envia para os seus serviços todos os endereços que são acedidos.

Claro que este é o funcionamento esperado deste tipo de ferramentas, algo normal e que seria expectável. A Microsoft tem de receber esses endereços para os avaliar.

Como podem ter o Windows Defender Browser Protection

Se quiserem testar o Windows Defender Browser Protection só precisam de aceder à loja do Chrome e instalar esta extensão. Pode ser usada tanto no Windows como no Linux ou no macOS.

O que o Windows Defender Browser Protection garante é um nível de proteção acrescido e complementar aos outros serviços de segurança, tanto do browser como do próprio sistema operativo. Se têm paranoia da segurança então esta é uma extensão obrigatória.

FONTE: pplware.sapo.pt

PC ASSISTE: Serviços de Assistência em Informática.

Precisa de assistência informática ao domicílio? Marque Já Aqui