Pesquisar por:

Afinal o YouTube não está a bloquear o Firefox! São apenas os bloqueadores de anúncios

A Google, através do YouTube, parece ter iniciado uma guerra contra os bloqueadores de anúncios. As medidas estão já em prática e com efeitos práticos reais. O mais recente problema parecia impactar o Firefox nesta plataforma, mas agora veio a explicação. O YouTube não bloqueia o Firefox, mas sim os bloqueadores de anúncios.

Afinal o YouTube não bloqueia o Firefox

A notícia surgiu ontem e dava como certo que o YouTube e a Google poderiam estar a tomar medidas contra a utilização do Firefox. Os relatos acumularam-se e mostravam como este browser era prejudicado ao visitar o site dedicado aos vídeos. A gigante das pesquisas veio esclarecer tudo agora.

Na semana passada, os utilizadores que usam bloqueadores de anúncios podem ter experimentado uma visualização abaixo do ideal, o que inclui atrasos no carregamento, independentemente do navegador que usam

A declaração é clara e confirma o que depois foi descoberto por muitos utilizadores. A Google colocou código específico na página do YouTube para existir um atraso no acesso aos vídeos sempre que os bloqueadores de anúncios estejam ativos.

Alvo da Google são os bloqueadores de anúncios

Curiosamente, e após reportada a situação do Firefox, este problema foi relatado como estado presente também no Edge ou no Safari. Assim, ficou também claro que o browser da Mozilla não era o visado na alteração que a Google fez no YouTube.

This behaviour from Google is beyond disgusting! Artificial wait on YouTube now if you’re not using Chrome / Edge.
byu/Rytoxz infirefox

A análise do código presente na página do YouTube mostra de forma clara que o atraso que está a ser provocado não se foca em nenhum browser em particular. Há ainda relatos de utilizadores que revelam que não estão a detetar esta situação, seja em que browser e com ou sem os bloqueadores de anúncios ativados.

Fica, sim, claro que a Google está a tomar medidas bem drásticas para eliminar de vez estes add-ons e os seus efeitos na apresentação de publicidade. Por agora parece focada no YouTube, mas em breve deverá olhar para outras áreas e para outros serviços que também dependem desta forma de monetização.

Fonte: pplware.sapo.pt

Precisa de assistência informática? Marque já aqui

Dica: Que memória o Chrome está a consumir? Agora já pode saber facilmente por separador

O Chrome é conhecido por ser guloso no que toca aos consumos de recursos e de energia. Não são raros os casos em que este software consegue surpreender os utilizadores e levar à exaustão. Agora, e para dar mais informações aos utilizadores, o Chrome passa a dar de forma simples informação sobre os consumos de memória. Descubra como ver esta informação.

Que memória está o Chrome a consumir?

A Google tem procurado dar aos utilizadores as melhores ferramentas para os utilizadores do Chrome. Para lá das que estão escondidas e acessíveis para um desempenho estável, há outras que estão bem visíveis e acessíveis para auxiliar os utilizadores.

Uma destas ferramentas está agora disponível e pronta para ser usada, permitindo que os utilizadores saibam que memória está a ser utilizada. Mais que o valor global, esta novidade permite obter a informação sobre cada separador isoladamente, diretamente da interface do Chrome.

Na mais recente versão do browser da Google, e em cada separador, existe agora a informação da memória consumida. Basta passar com o rato por cima da zona superior do separador e de imediato a informação será apresentada.

Google apresenta informação dos separadores

Esta será um complemento ao que está já disponível aos utilizadores e que pode ser usado por todos. Falamos da pré-visualização das páginas presentes, permitindo uma identificação melhor dos separadores.

Curiosamente, esta informação sobre a memória consumida no Chrome já existia antes. Estava num local mais complicado de aceder e que obrigava a ter mais uma janela aberta. Falamos do gestor de tarefas deste browser da Google.

Esta novidade pode ser usada em complemento com os modos de poupança de energia e que permitem ter consumos de memória inferiores e mais aceitáveis. Esta é uma novidade bem-vinda e que auxiliará os utilizadores do Chrome. Podem assim, facilmente, detetar os separadores e os sites que mais recursos consomem e que assim podem ser evitados no computador.

Fonte: pplware.sapo.pt

Precisa de assistência informática? Marque já aqui

Navegador Brave lança sistema de IA generativa para competir com o ChatGPT, Bing e Bard

Depois de meses em teste, a Brave lançou o Leo, o assistente de IA generativa nativo para o seu browser de navegação de internet. Os utilizadores podem registar-se numa versão Premium com subscrição mensal.

A Brave anunciou o lançamento oficial do Leo, o sistema de IA generativa que está disponível nativamente no browser de navegação. A ferramenta é gratuita para todos os utilizadores de desktop, mas há uma versão premium do sistema, por um preço de 15 dólares por mês. Para já, apenas foi lançado para desktop no PC, mas vai chegar nos próximos meses aos smartphones.

A empresa diz que desde que o Leo foi lançado há três meses, apenas como antevisão para developers e beta testers, o sistema amealhou dezenas de milhares de utilizadores a nível global, deixando a Brave satisfeita com os resultados. A empresa diz que ao longo dos meses tornou o sistema mais rápido, melhorou a qualidade de respostas e até a interface de utilização. E por isso, diz-se pronta para lançar a aplicação a todos os utilizadores a partir de hoje, na versão 1.60.

Para utilizadores avançados e com a necessidade de mais modelos de linguagem de IA, a Brave também disponibiliza uma modalidade Leo Premium, com acesso ao Claude Instant, o um assistente de IA topo de gama. Mantendo a reputação de ser o navegador com maior privacidade do mercado, a Brave diz que também o sistema de IA nativo oferece “privacidade sem paralelo” quando comparado com outros serviços de chatbot inteligentes.

Veja na galeria imagens do Leo Brave chatbot

Tal como os restantes sistemas de IA generativa, como o Bing Chat, o Bard do Google, inseridos nos browsers de navegação, o Leo também faz traduções, responde a questões, faz sumários de textos e gera novo conteúdo através de prompts.

Ao afirmar ser mais seguro que a concorrência, a Brave diz que o Leo não grava as conversas entre os utilizadores e o chatbot e que estes não são usados para treinar os seus modelos de IA. Além disso, os utilizadores não precisam de se autenticar para utilizar, refere o The Verge. No entanto, a empresa não arrisca e avisa os utilizadores para terem cuidados com potenciais erros ou incoerências nas respostas.

Leo é baseado no modelo de linguagem Llama 2 da Meta. E segundo a empresa, o assistente Claude permite aceder a respostas mais longas e estruturadas, com melhorias a nível da matemática, código e capacidade multilingue, como parte da subscrição mensal. A pedido dos utilizadores que testaram o Leo nos últimos meses, vão ser disponibilizados mais modelos aos assinantes.

Fonte: tek.sapo.pt

Precisa de assistência informática? Marque já aqui

Microsoft Edge integra o Adobe Acrobat em Março!

O browser Microsoft Edge já tem um leitor de PDF incorporado para ler documentos que estejam neste formato sem ter de utilizador uma aplicação externa. No entanto, a partir de março de 2023, o Microsoft Edge vai ter direito a novas funcionalidades de PDF melhoradas (Adobe Acrobat) graças a um acordo recentemente revelado com a Adobe. Isto é sem dúvida mais uma característica que pode ir buscar alguns utilizadores ao Chrome e ao Firefox.

Microsoft Edge integra o Adobe Acrobat em Março!

Ou seja, como referi acima a Microsoft anunciou que em março o Edge terá uma atualização que vai adicionar o motor PDF do Adobe Acrobat dentro do browser. Esta adição dará aos utilizadores do Edge no Windows 10 e 11 mais funcionalidades relativas a este tipo de documentos. Nelas inclui-se, por exemplo, uma melhor seleção de texto e narração em voz alta. Também teremos uma representação de cores e gráficos com mais precisão juntamente com melhores funcionalidades de segurança e desempenho em geral.

Entretanto se os utilizadores quiserem ainda mais funcionalidades PDF no Microsoft Edge, incluindo a conversão para outros formatos de ficheiros e capacidades de edição completa, podem adquirir uma subscrição do Adobe Acrobat. Isto poderá ser feito dentro do browser Edge. Tudo para que os utilizadores não tenham de o deixar para obterem a atualização.

Apesar de já conhecermos o mês em que esta novidade chega, a Microsoft irá adicionar o novo leitor de PDF por etapas. Ou seja, mais um lançamento faseado.

Como nota, o atual leitor de PDF em Edge será descontinuado pela Microsoft em março de 2024. Isto apesar de ser um bom leitor.

No entanto nem todas as novidades são assim tão boas. Isto porque há outra que terá um efeito prático um bocadinho diferente desta.

Denominada “Discover”, a funcionalidade é a nova tentativa da Microsoft de impor conteúdo recomendado no Edge e há muitas coisas erradas. Para começar, fica onde costumava estar o botão do menu. Assim algumas pessoas vão tentar fazê-lo no local habitual e vão acabar por aceder a esta nova função. Mas há mais!

Os visuais questionáveis são outra coisa que pode vir a irritar os clientes. O Microsoft Edge é um browser mais minimalista com ícones simples que não atraem atenção desnecessária e não atrapalham. O botão “Discover” parece exatamente o oposto. Tal como se estivesse a dizer carreguem aqui. Mesmo que seja semelhante ao resto da barra lateral (assumindo que a está a usar), há outro problema. É o único botão que não é possível reposicionar ou remover da barra de ferramentas é o responsável por mostrar conteúdo recomendado pelos anúncios.

A outra coisa muito errada como refere o site Neowin, é o facto desta função abrir, não quando carregamos no botão mas quando passamos o rato por cima dele. Lembra-se do widget de notícias e interesses? Pois bem, é uma coisa muito semelhante.

Para já o primeiro feedback não podia ser pior. Os Edge Insiders já odeiam o novo separador “Discover”, e os fóruns estão lentamente a encher-se de comentários menos simpáticos. Resta-nos esperar que a Microsoft venha a ter juízo e perceba que precisa de dar aos utilizadores, pelo menos, a opção de ocultar ou desativar o botão. Caso contrário as pessoas podem começar a saltar para outro browser.

Fonte: leak.pt

Precisa de assistência informática? Marque já aqui

Chrome 110: isto é tudo o que há de novo! Atualize já

As atualizações do Chrome estão a acelerar novamente. A versão “Early Stable” do Chrome 110 foi lançada na semana passada e a versão final está disponível a partir de 7 de fevereiro de 2023. Esta atualização chega com melhorias no Google Translate, “Navegação Segura” e suporte para a super resolução nas placas gráficas Nvidia RTX. Isto apenas para mencionar algumas coisas. Vamos então olhar para tudo o que há de novo no Chrome 110.

Chrome 110: isto é tudo o que há de novo! Atualize já

Melhorias do gestor de passwords

O Google Chrome tem um gestor de passwords bem integrado. O Chrome 110 adiciona algumas melhorias para torná-lo ainda melhor. Para começar, a funcionalidade de password comprometida funciona agora com ainda mais websites, levando-nos diretamente para onde pode alterar a sua palavra-passe.

Entretanto a versão para PC está a receber uma das funções que estava presente no Chrome para Android. Assim pode também utilizar um método biométrico para fazer a sua autenticação. Se o seu PC não tiver um leitor de impressões digitais utilizará o método de bloqueio de ecrã que tiver.

Maior controlo na tradução

O Chrome tem o serviço de tradução da Google incorporado, mas ajustar as definições pode ser complicado.

O Chrome 110 adiciona finalmente as definições do Tradutor da Google às definições normais do browser. Assim pode ir a chrome://settings/languages e escolher um idioma predefinido, definir idiomas para traduzir automaticamente e escolher idiomas para nunca traduzir.

Suporte para super resolução Nvidia RTX

Esta é uma ferramenta que pode melhorar o vídeo reproduzido num browser. Por exemplo, se tiver um ecrã de computador 4K, pode aumentar a escala de um vídeo de 1080p a 4K diretamente no leitor web. O Chrome 110 suporta esta funcionalidade.

Como o nome indica, isto só funciona com placas gráficas Nvidia RTX, especificamente nos mais recentes modelos da série RTX 3000 e RTX 4000.

O sistema de navegação melhorado 

Este sistema foi lançado para o Google Chrome no início de 2021. Baseia-se na funcionalidade “Navegação Segura” com algumas funcionalidades adicionais. O Chrome 110 está ainda mais poderoso com a capacidade de analisar pedidos de cookies de extensões para encontrar malware com mais facilidade.

Fonte: leak.pt

Precisa de assistência informática? Marque já aqui